segunda-feira, novembro 28, 2005

dança comigo

Espero por ti na esplanada. Chegas e falas-me ao ouvido.
Baixinho contas-me a história que trazes dentro de ti e sentas-te em silêncio virado para o jardim.
Eu sei o que estás a pensar. Sorris. Chega o café com leite. Enquanto bebemos… um pato mergulha no lago. Na mesa ao lado está uma família, dois casais e uma criança. Observo-os. Deduzo que sejam os avós e os pais da menina de calças azuis e camisa florida. É uma criança magra, sossegada e sorridente, pede chocolates. Começo a ouvir-te trautear baixinho uma canção. Levantas-te e pedes:
Dança comigo!
Rio-me!
Está frio. É fim de tarde. Continuas de pé na esplanada, à espera que dance contigo. Sinto um vento frio, aconchego o cachecol e levanto-me.
Volto já – digo-te.
Não demoro. Volto a correr com as mãos enterradas nos bolsos. Fundas, quentinhas. Ainda estás de pé ao lado da cadeira. Ainda estás à espera. Oiço-te dizer:
Dança comigo!
Fecho os olhos e deixo-me levar.
Danças comigo e enfias a mão no meu bolso. Sorrio. Encontras o que escondo no bolso. Danças e falas-me ao ouvido. Estás feliz.

2 Comments:

Anonymous Excelsior said...

Seria um bébé, aquilo que escondias no bolso, na figura de um teste positivo?

The longer you wait for the future, the shorter it will be.

6:01 da tarde  
Blogger Sónia said...

Tão bonito! Que saudade!
Vá vá, escreve mais!

10:29 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home