sexta-feira, janeiro 01, 2010

Silêncio.

É verdade. A blogosfera tem horror ao vazio. Bem vindos a 2010.

terça-feira, outubro 27, 2009

Miúda inteligente...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...


Florbela Espanca

domingo, outubro 25, 2009

Há certas coisas que nunca fazem sentido

Há histórias assim. Sempre a mesma conversa, continuamente a mesma atitude, até as palavras são constantes. Gastas, consumidas, agoniadas por dentro, desacertadas. Mas, em abono da verdade, as pessoas que as ouvem são outras.

São sempre, não é? Diferentes. Melhores ou piores, só o buril do tempo o dirá.

E a mudança é unicamente essa, os dias trocam os donos dos ouvidos que percebem essas palavras. E não fosse esse pormenor, há muito que a conversa se teria alterado. Provavelmente.
Ou já não haveria ninguém para ouvir.

E não há.

Ninguém fica.

quase todos perceberam.

Há histórias assim. Repetidas, dobradas, recalcadas, como se fossem novas, como se fossem outras, como se houvesse esperança. Não há. É um círculo perfeito, o fluir destas histórias. Porque na realidade há muito que perderam o Norte. E não há bússolas que valham, enquanto as letras criarem sons de sentires condenados a falhar. Mais cedo ou mais tarde.

E esta é a minha sentença em causa alheia. É sempre com uma lucidez quase doentia que vemos a vida dos outros. As ideias que temos na cabeça são assim, límpidas, podemos sempre dizer: “tem juízo”. Mas há certas coisas que nunca fazem sentido. Ou será que há certas pessoas que jamais farão sentido?

sábado, outubro 24, 2009

Plantada

Podia ficar aqui plantada, neste espaço verde que separa as estrelas do fundo do mar. Podia ficar aqui, ganho raízes facilmente, cresço à custa de chocolate quente e amores perfeitos, venha a chuva e o frio. Há sempre um jardineiro bondoso.

terça-feira, outubro 20, 2009

Não.

Não te vou dizer que estou sozinha. Tenho o ramo de flores sobre a secretária. Rosas vermelhas. Reencontrei hoje o postal que me escreveste naquele dia. Repetiste juras incessantes de amor, disseste que chegavas depressa.
A noite inteira a ouvir a mesma música. Não te vou dizer que estou sozinha. O amanhecer embaciado. O frio por fora, a inquietação na boca do estômago, o coração a bater desordenado, o sangue a fluir depressa, muito depressa. A vertigem da vida. Tenho o ramo de flores sobre a secretária. Rosas vermelhas.

quinta-feira, setembro 24, 2009

Reflexo

“Ler é um ritual íntimo, um livro é um espelho e que só podemos encontrar nele o que já temos dentro”.

A Sombra do Vento, Carlos Ruiz Záfon

quarta-feira, setembro 23, 2009

Porque a vida pode ser tudo.

be beautiful, be brash
if you can't be good
be radical, be rash
be insolent, inspired
be decadent, desired
be everything I knew you would
and if you can't be good
be magical, be mean
if you can't be good
be shameless, be obscene
be passionate, possessed
be obstinate, obsessed
be everything I knew you would
if you can't be good


Li este texto há uns anos. Hoje faz mais sentido do que nunca. A vida é isto. É estar no topo da falésia, com uma vista de cortar a respiração, uma brisa de Verão, o pôr do sol no horizonte, um sorriso nos lábios, a tua mão na minha, o futuro pela frente e a melhor música do mundo no coração. Perfeito.

sexta-feira, agosto 21, 2009

De outros

"Não vale repetir nada. Isso é batota. Tudo tem que voltar a ser feito com a loucura possível e o terror de estar a cair de um prédio de sete andares. Porque se assim não for já morremos e ninguém nos avisou".

terça-feira, julho 14, 2009

Neve

Eu não tinha mais de um metro. As mãos pequeninas aconchegadas nas luvas de lã, uma no bolso do casaco azul marinho, a outra na mão da minha mãe. Atravessávamos Paris. Lembro-me de uma ponte, do rio, do céu cinzento, muito escuro, do frio. Era cedo. A cidade tinha pouco movimento. Estávamos a caminho da escola. De repente começou a nevar. Os flocos brancos caiam devagar, e começaram a pintar as ruas de branco. Lembro-me de olhar o céu e ver milhares de pontos brancos a flutuar. Pensei que era magia. E foi.

Muitos anos depois, em Novembro de 2008 voltei a ver neve, muita neve. Fui para Montalegre em busca de paisagens brancas, e a magia voltou a ser a mesma. Já refreada pelos anos, já amortecida pelos pensamentos, já amaciada pelos sentires.

A neve sim.

A neve foi a mesma, mas nesse dia percebi que comecei a ser outra. A neve cobriu pinheiros, estradas, casas, monumentos, encheu as ruas de pessoas, de gargalhadas, preencheu o dia com lareiras acesas e olhos brilhantes e eu pressenti que algo estava a mudar. Percebi que só por querer, o caminho ficou comprometido. E ficou. E eu soube, enquanto voltei a ver a magia da aldeia do pai natal.
A Carta

Era uma carta com várias páginas. Uma letra perfeita, pequena, muito redondinha, meticulosamente simétrica. Várias páginas dobradas, escritas a tinta azul.

Chegou com a manhã no correio e mudou-me a vida inteira. Aninhei-me no sofá verde, junto à janela. Olhei o rio, uma gaivota cortou o céu e comecei a ler. À minha frente, surgiram palavras que me conheciam por dentro.

Li, reli e voltei a reler a carta. A carta que reunia tudo o que eu era, ali, numas quantas páginas, escritas a tinta azul. Sentada no sofá de veludo fiquei presa no tempo. Nunca me tinha olhado tão profundamente como naquela carta. Nunca ninguém encontrou a minha essência como aquelas palavras.

Quem me conhecia assim?

Quem?

Quem tinha ido tão longe dentro de mim?
Quem teria chegado primeiro do que eu, ao mais fundo do meu ser?
Quem teria respondido a todas as minhas duvidas e agora replicava ali naquela carta, a tudo, tudo o que eu sempre quis saber?
Quem sabia os meus segredos?
Quem sabia o que eu nunca disse baixinho ao ouvido de ninguém?

Os dias tomaram novos rumos, a carta passou a ser o meu mapa. O guia da vida nova que tomei a cada manhã. Sem dúvidas, sem hesitações, sem receios ou tristezas.

Depois.

Depois passou muito tempo até eu compreender quem escreveu a carta.
Uma tarde, no momento em que o sol tocou o horizonte, antes de desaparecer, no meio do som da vida que roça as árvores quando os pássaros voam em busca de comida, tirei a carta do bolso e finalmente percebi.

A carta tinha sido escrita por mim.

segunda-feira, julho 13, 2009

Clichés

Pode conseguir-se tudo na vida. Tudo. Desde que se esteja disposto a sacrificar tudo o resto.
Às vezes nem sempre fazemos o que é certo só para conseguir o que queremos.
Às vezes estamos prontos a fazer sacrifícios, só que nem sempre sabemos o que estamos a sacrificar.
Às vezes a vida pede-nos sacrifícios que não estávamos dispostos a fazer. Ou pior. Às vezes os sacrifícios que nos são apresentados não são aqueles que estávamos à espera.
Às vezes são as batalhas que nos escolhem. Às vezes essas batalhas são tão grandes que nos suplantam.
Às vezes o sacrifício que nos toca é muito maior do que aquele que estávamos preparados para aguentar.

e lugares comuns

Os momentos bons da vida, não são aqueles em que respiramos normalmente. Não são aqueles em que o coração bate alegre e despreocupadamente. Não. Os grandes momentos da vida são aqueles que nos arrebatam, que nos tiram o fôlego, que nos deixam suspensos num instante fugaz.

E então?

Poderia dizer-se que a menina está numa fase de avaliação, de introspecção, de reflexão? Não! A menina viu um episódio da anatomia de grey e gostou desta ideia de, às vezes, sermos só peões no jogo da vida.

terça-feira, julho 07, 2009

Pormenores

Encontrei, um dia destes, num blog uma lista de 100 itens que definiriam o quanto já fizemos, ou o tanto… Das 100 estabelecidas, já cumpri 45. Realizei e alcancei muitas outras que não estavam lá, e isto tudo para quê? Para pensar na vida?

Não.

Para achar que a vida pode ser tão interessante.Para perceber que há tanto que podemos fazer com o nosso tempo.

Que o mundo é enorme e os dias são pequenos.
Que o meu tempo deveria ser mais meu.
Que as pessoas enriquecem os dias. As pessoas com luz por dentro, que valem mesmo a pena.
Que são o conforto e a cumplicidade de todos os dias.

Deveria fazer a lista das 100 coisas que ainda vou alcançar, este ano, no próximo, depois, a sós, acompanhada, em grupo, porque os pormenores fazem o todo.
Devia fazer a lista dos momentos que me enchem os dias.
Devia contar que ontem comi as melhores rabanadas do mundo, que no Domingo morri de sono todo o dia, depois de uma noite de olhos bem abertos, partilhar que no Sábado chorei de tanto rir e que hoje vou a um concerto de um amigo.
Devia anunciar que o descanso do guerreiro está à porta, que o mar também é a minha alma gémea e que vou ter uma prenda da Estónia…e outra da Finlândia ;)

Na Quinta-feira reencontrei um momento que perdi há mais de cinco anos, na semana passada revivi a magia de Novembro e voltei a ter 13 anos, uma melhor amiga e segredos contados no escuro do jardim.

segunda-feira, junho 29, 2009

M@is de mim

Revelações. E tenho sonhado com comboios. Sonhos estranhos, quentes. Cheios de pessoas que não conheço. Que passam, vão e voltam e apontam o dedo. E estou em estações grandes. Muito grandes. Altas, com imensas e sumptuosas escadarias. Degraus que subo. Brancos, impecavelmente limpos. Os sonhos têm luz. Uma luminosidade que ofusca, forte. Estou sentada à espera do comboio com um livro no colo.

Freud explica. Os comboios têm um significado óbvio.

O tema preferido do artista é quase sempre ele próprio.

Estou a ficar egocêntrica até nos sonhos.

E o tempo que demora uma viagem de comboio tem de servir exactamente para contar o meu sonho.

E pela manhã acordei furiosa. Irritada por não estar a dormir. Felizmente há justiça e comecei o dia na praia. Em frente ao mar. Numa esplanada. Fiz as pazes com o mundo.

E esta noite? Vou voltar à estação?

sábado, junho 27, 2009

Vai ser engraçado

Vai ser engraçado. Muito. Um dia eu estar na FNAC e ver um livro meu na prateleira, rodeado de tantos escritores que admiro e venero. Ver as minhas palavras nas mãos de desconhecidos, ver a minha voz levada para casas onde eu nunca pensei entrar. O que sente o Saramago? O que sente o António? O que sentem tantos que como eles foram escolhidos para receber o dom de contar histórias magistralmente?

Vai ser divertido. Muito. Um dia eu dar de caras com um livro por mim inventado na montra de uma livraria de uma rua deste país. Já me apeteceu ter uma livraria. Um espaço encantado, muito, muito parecido com aquela de Aveiro, Navio de Espelhos (acho).

Agora apetece-me fazer outras coisas. Agora passam-me novas ideias pela cabeça. Imagens perfeitas, cheias de cor, quase reais. Estendo a mão e posso tocar-lhes.

Agora quero sentir nas folhas dos livros, o que sempre senti cá dentro, na boca do estômago. Esta é a hora.

Houve tempos em que só escrevia a tristeza, a mágoa, a dor. Houve tempos em que só me lembrava dos meus (muitos) diários (que tive ao longo da vida), quando essa vida era má para mim.

Houve.

Mas depois descobri a alegria das letras. Percebi que a serenidade é possível, que a tranquilidade não anula a criação e a emoção, que a criatividade pode viver e vive lado a lado com a felicidade. Houve tempos em que pensava que só as pessoas atormentadas criavam. Só os angustiados viviam com intensidade.

Não.

Que engano tão grande. Como foi possível?

sexta-feira, junho 26, 2009

(re)nome

Este Blog acaba de mudar de nome.
Agora é conhecido por uma certa pessoa por:
o-blog-da-minha-amada-princesa-cheio-de-mimos



Fadas e contos

Já não sei se quero ser princesa.
Se calhar…. quero ser fada.
Porque as fadas... têm asas...

Amor

é força e valor
é debilidade e cobardia
é paixão e alegria
é corpo e alma

é este instante
é toda a eternidade

é ontem,
é história,
é amanha e futuro

é distância e arrojo
é o momento e a vida inteira

é dedicação
cumplicidade e ardor

é voar na margem das ondas
é roçar pele com pele
é unir o gemer das almas

é um abraço fundido
e um só coração

quinta-feira, junho 25, 2009

Organização

Abriste... Fecha.
Acendeste... Apaga
Ligaste... Desliga
Desarrumaste... Arruma
Sujaste... Limpa
Partiste... Repara
Pediste emprestado... Devolve
Prometeste... Cumpre
É de graça... Não desperdices
Estás a usar... Tem cuidado
Não sabes usar... Chama quem sabe
Vais usar... Pede licença
Não sabes como funciona... Não mexas
Não sabes fazer melhor... Não critiques
Ofendeste... Pede desculpa
E pronto.... Perfeito

quarta-feira, junho 24, 2009

@ritmo


Ao sabor da música, o som que sabe a Verão.
O tempo que passa devagar, que é absorvido ao segundo. Que vale a vida inteira.
A música no coração. A cadência que bate por dentro.

A proximidade. A cumplicidade.
O som que é quente, que é paixão, que é sangue e energia.
Dançar, deixar as notas musicais percorrerem cada ponto do corpo.
Vibrar a cada mudança de ritmo.
Transpirar no calor dos corpos, no fluir das horas, na fusão…

As tuas mãos fortes. O teu corpo flexível.
Estar segura. Sempre.
Confiante. Tranquila, com alicerces fundos. Esteios cheios de certezas.

Silêncio. Receio de pronunciar a felicidade em voz alta.
Deixar que a vida seja perfeita. Sim.
Acreditar.

terça-feira, junho 23, 2009

Sinto que…

Cheguei a casa.

segunda-feira, junho 22, 2009

Statement

A sedução está presente em todos os momentos.

A pior coisa do mundo é a arrogância (ou será a mentira…).

O choro, diz o Miguel, é um sentimento interior. Torna-nos mais doces, mais terrenos. Mais próximos de nós mesmos.

A delícia de um Brunch num ambiente requintado, repleto de sabores fantásticos e em boa companhia.

Encaixei finalmente as peças do mundo que sempre pensei conhecer.

A percepção que o todo muda o sentimento por cada parte.

A compreensão que o entendimento se altera com o gradual alargamento do horizonte.


Nuvem

Sonhar acordada. Sonhar nos minutos que me separam do mundo.
Sonhar que ainda posso ficar aqui enroscada nesta nuvem fofa (não cor-de-rosa… mas branca… )
Sonhar neste espaço que quero nosso.
Sonhar num universo paralelo. O meu e o teu mundo que se fundiram num só.
Sonhar porque ainda é cedo.
Sonhar porque tudo é possível.
Sonhar porque o mundo é nosso.
Sonhar acordada. Sonhar adormecida. Sonhar de olhos abertos. Sonhar de olhos fechados.
Sonhar sempre.

sexta-feira, junho 19, 2009

Flash

Arrumo a papelada em cima da secretária. Olho para o relógio à espera que o tempo passe. Não me apetece ficar aqui. Quero estar lá fora, onde a vida corre…

Hoje de manhã, abri a janela e procurei no meio dos cd's qualquer coisa que se pudesse pôr a tocar em volume máximo. Vesti-me a dançar. E o dia começou com passos e movimentos inventados, entre as almofadas e o chão. Salto. Salto. Vou trauteando as canções. Há muito tempo que gosto de saltar na cama. Gosto muito que gostes também.

A música em volume máximo. Danço. Danço. Gosto quando me dizes tua.

Só eu sei o que gostaria de ter esta noite (e em todas as noites que me restam pela vida toda). Eu e tu...

quarta-feira, junho 17, 2009

Conversas

Ela: Um lindo dia de Verão e eu sem o meu amor para passear!
Ele: Mais um dia de passeio e eu sem o meu amor comigo. Beijos, beijos, beijos!

terça-feira, junho 16, 2009

Palavras que prendem

Numa destas noites participei num encontro muito restrito com um dos grandes empresários do nosso país. Um encontro à volta de uma mesa para uma conversa descontraída e enriquecedora. Oportunidade para falar e ouvir falar de liderança, de missão, de valores, de princípios, de pessoas com objectivos.

A história e a fibra de quem lidera contada ali, ao vivo, na primeira pessoa. Uma conversa com a generosidade e a partilha de quem tem um percurso longo, seguro, confiante, de descoberta, de afirmação, de visão.

Uma vida rica, muito rica, com viagens, com batalhas ganhas, com derrotas assumidas, com interacções com os melhores do mundo, com relações privilegiadas com líderes internacionais. A noite voou. Mas enquanto as horas avançavam o tempo parou, e eu fiquei presa às palavras daquele líder.

Mas foi o homem atrás do líder, que todos conhecem através da televisão e dos jornais, que me fascinou.

Um homem que sabe quem é.

Que sabe o que quer.

Que se move por objectivos definidos, claros, mas sempre flexíveis e ajustáveis.

De vez em quando percebemos que há pessoas especiais, que temos tanto a aprender com os outros, que a vida está cheia de belas e agradáveis surpresas e que quando menos se espera se vive assim, uma noite de fascínios.

sábado, junho 06, 2009

Certezas

"Tens lugar em todos os meus dias, todos os dias..."

Florbela Espanca

quinta-feira, maio 21, 2009

shhhhhhhhhhhhiu!


I Have a Secret

quarta-feira, maio 20, 2009

Aventuras… culinárias

Além da minha paixão cega pelo chocolate negro, não gosto particularmente de mais nenhum doce.

Minto….

Gosto, gosto até bastante de doces de maçapão, daqueles pequeninos do Algarve, ou dos bolos de aniversário cobertos por esta maravilha da doçaria sulista….Um destes dias aventurei-me na cozinha a preparar este doce. Ficou… mediano… mas mesmo assim não sobrou nada.

Maçapão
s. m.
Bolo redondo feito com amêndoas pisadas, farinha, ovos e açúcar

Fazer

500g de amêndoa ralada
250g de açúcar em pó
1 clara de ovo

Amassar tudo muito bem e deixar secar até a massa ficar boa para moldar, se assim se quiser podem usar-se corantes para dar cor e personalidade….
Depois é só pôr a mão na massa e deixar a imaginação viajar…

terça-feira, maio 19, 2009

Brisa, cheiros, sol e memórias

Gosto de fins de tarde como hoje. Com uma brisa de norte em dias de sol e luz. Uma brisa fresca carregada de memórias.

A memória do cheiro a pão cozido da aldeia da minha avó.

O cheiro que o vento trazia do forno comunitário. Pão quente e lenha queimada, um cheiro morno e terno, como as mãos das mulheres que amassaram a farinha grossa. Cheiro a fim de tarde de férias, com a cozinha cheia de primos, as horas passadas na rua, sem regras, sem portas fechadas, sem horários. Um cheiro que adivinhava o chegar da noite, o lanche fora de horas, a ida à igreja para acender a vela de azeite. O silêncio do altar, a frescura dos cravos brancos. Um cheiro a infância e a muitos sonhos por sonhar. Um cheiro a bola de centeio quente com azeite e açúcar amarelo. Uma delícia.

Gosto de fins de tarde assim. Com uma brisa de Norte em dias de sol e luz. Uma brisa fresca carregada de memórias

A memória do cheiro de um dia na praia.

O cheiro da maresia e de pele quente e queimada. O cheiro do creme que espalho todos os dias, o cheiro da toalha lavada, que sinto, antes de me deitar depois de um mergulho, antes de fechar os olhos à espera de sentir o sol acariciar-me, enquanto paro o tempo.

Gosto de fins de tarde assim. Com uma brisa de Norte em dias de sol e luz. Uma brisa fresca carregada de memórias

A memória do cheiro de um passeio inesperado ao fim do dia, só porque sim, porque o Verão está a chegar e porque a vida passa devagar com sabor a bola de gelado de chocolate escuro, muito escuro.

quinta-feira, maio 14, 2009

Mudar

Mudar de rotinas, de hábitos, de sonhos, de ambições, de amizades, de expectativas, de desejos, de sorrisos, de caminhos, de fantasias, de músicas, de companhias, de conversas, de pertenças, de destinos, de porquês, de certezas, de dúvidas.

de alma…

e tudo isto voluntariamente, com um sorriso no coração e um brilho especial no olhar.
Porque a vida tem destas coisas, inesperadas, irreversíveis, improváveis, saborosas…

Mudar a vida devagar, com prazer, com novidade, com convicção, com serenidade.

E ser já outra depois ter sido quem fui. E ser com agrado quem quero ser.

quarta-feira, maio 13, 2009

Parabéns mano

Há muitos anos, neste dia, fui ao hospital e vi um bebé pequenino que passou a ser parte do centro do meu mundo. Continua.

segunda-feira, maio 11, 2009

Hora do mimo

Agora, antes, depois, amanhã, já, sempre, hoje… tu sabes.

segunda-feira, abril 06, 2009

Muito

Primeiro Março, agora Abril.
Meses com sabor a sol, a amêndoas, a risos e a sorrisos.
A gente, muita gente, a palavras bonitas, a mimos que chegam, a olhares vivos.
Dias de pequenos-almoços com doce e tardes com chocolate quente.
Meses de histórias sentidas em livros reencontrados.

Dias que sabem a mar e a pôr-do-sol.
A brisas perfumadas e a esplanadas com gelados.
A flores com cheiro a gargalhadas, a dias felizes e a abraços apertados.

E ainda não é Primavera em pleno
E ainda não é Verão no meu coração
E ainda não são férias.
Ainda…

quarta-feira, abril 01, 2009

a-c-a-s-o

Disseram-me que nada acontece por acaso.
Percebeste?
Nada acontece por acaso, ninguém diz nada só por dizer e então imagina o que faço com as tuas palavras, com o tanto que me tens dito… é nas tuas palavras que descubro as minhas.
Nada acontece por acaso.

O que é preciso para se escrever uma história?
Não sinto nenhuma inspiração divina, especial, profunda e avassaladora a cair-me sobre os ombros.
Não vivo em angústia ou desespero à procura da essência da minha existência.

O que é preciso para escrever uma história?
Alguma dose de imaginação, uma forte disponibilidade para trabalhar e contar as vidas, a minha e a dos outros, até ao fim.
Não tenho que ir, não tenho que ver ou ouvir.
Tenho que tocar, que provar, que sentir.
Para escrever uma história só tenho que viver por dentro do mundo que vejo.
Para escrever uma história tenho que encontrar as minhas palavras.
Encontrar nas palavras dos outros, as palavras que sempre foram as minhas.

quarta-feira, março 11, 2009

Sorriso(s)

"a história de uma mulher entre os trinta e os quarenta anos e com uma tendência natural para o abismo e para o pecado".

(in transa atlântica)