domingo, janeiro 01, 2006

do meu blog

Quase todos julgam ler nos meus textos (posts) a vida que sinto ou que vivo. Nem sempre é assim, aliás, raramente. Os textos partem de conversas, de palavras, de encontros, de ideias, de desafios, de inesperados, de premeditados. Crescem quase sozinhos sem eu dar por isso e hoje, nas palavras de Fernando Pessoa, descobri a verdade. A cada palavra não finjo, não minto, sinto com a imaginação. Sinto com a força de todas as pessoas que vivem comigo aqui dentro, ou sinto em cada dia com cada uma delas, já não sei.

Primeiro sou só eu que me sento em frente ao computador para escrever, depois já não estou só e tenho à minha volta muitas histórias que voam pelo quarto. Devagar, pairam e ficam à espera que as faça minhas. Escrevo e já não consigo parar e já não sou eu, mas sou ainda consciência e carne. A mesma carne que sangra quando cravo as unhas no braço para saber se sonho. Estou acordada e escrevo, a vida que ouço, a vida que vejo, a vida que sinto, a vida que cheiro, a vida que quero, porque o querer também é um sentido. Uma vida a várias sentidos, às voltas, às voltas, como as histórias que pairam à espera que eu as faça minhas e as aprisione em páginas numeradas e organizadas de uma história que quer ser sentida.

4 Comments:

Blogger Isis said...

acontece-me uma coisa semelhante com frequência... e já agora um bom 2006!

3:52 da tarde  
Blogger Sónia said...

Ó minha querida Clarita! Eu já sabia "isto", mas tu disseste-o de uma maneira tão bonita!
Bom ano Novo!

6:43 da tarde  
Blogger mauricegilbert8614 said...

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. My blog is just about my day to day life, as a park ranger. So please Click Here To Read My Blog

9:51 da tarde  
Anonymous Luis Moura Serra said...

Tens mesmo que te justificar????

Nem parece teu ó CLARITA!!!

Feliz e consistente 2006

1:09 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home